Uma introdução ao agorismo de SEK3

por Nicholas Leviski

 

wpid-sek-poster-alt-goldblack.jpg

Samuel Edward Konkin III nasceu em 1947 na província canadense de Saskatchewan. Konkin desenvolveu uma filosofia política que chamou de agorismo e escreveu três livros defendendo sua ideia, sendo O Manifesto do Novo Libertário sua principal obra. O termo foi usado pela primeira vez no livro An Agorist Primer, do autor mencionado, e deriva da palavra grega “ágora”, que era um local aberto para assembléias e mercado nas antigas cidades-estados gregas.O agorismo é uma vertente do anarquismo de mercado, mas com influências do anarquismo individualista americano e do mutualismo, e se distingue do anarcocapitalismo de Rothbard por aceitar a ideia de ocupação e uso, por ter uma diferente visão da legitimidade da propriedade e por ser contra a propriedade intelectual.

O agorismo seria uma anarquia de livre mercado anticapitalista. Mas anticapitalista na definição marxista do capitalismo, que é diferente da definição rothbardiana do termo, reconhecendo também as diferenças terminológicas do termo “propriedade” entre Proudhon e Rothbard. Uma das principais diferenças entre a visão de Rothbard e a de Konkin está na questão da legitimidade da propriedade privada, particularmente da terra, em que o agorismo defende que a propriedade desta é apenas legítima enquanto houver a possibilidade de que seu proprietário faça uso dela, desta forma evitando que seja considerada abandonada.

Para se chegar ao agorismo (ou qualquer ideia de anarquia de mercado), Neil J. Schulman, outro teórico libertário e amigo de Konkin, defende a contraeconomia, que é definida como a prática de trocas voluntárias proibidas pelo Estado, como sonegação de impostos, contrabando, tráfico, contratação de imigrantes ilegais, evasão fiscal, dentre outras coisas.

Konkin se opunha ao voto e a todo o sistema político, incluindo o Partido Libertário, por considerar a política ilegítima e tentativas de mudança por dentro do sistema inviáveis e insustentáveis. Acreditava que apenas conseguiríamos acabar com o Estado se houvesse total deslegitimação de suas instituições e de seus agentes por parte suficiente da população.

Talvez a mais revolucionária das vertentes da anarquia de mercado, o agorismo defende a sabotagem contra as instituições estatais, o ataque sistemático (considerado legítima defesa) contra os agentes de manutenção do Estado (políticos e membros do aparato coercitivo), boicote às empresas corporativistas, desobediência civil e prática da contraeconomia para burlar as restrições e regulamentações estatais, o que faria o Estado se tornar insustentável e ruir, retirando também todos os incentivos que alguém teria para querer mantê-lo.


 

Nicholas Leviski é coordenador do grupo de estudos Capitalismo e Liberdade; Estudante de administração na Unespar e de economia na Unopar; Judeu; Anarcocapitalista.

Anúncios

Um comentário sobre “Uma introdução ao agorismo de SEK3

  1. Pingback: As principais estratégias para chegar ao Anarcocapitalismo | Anarcocapitalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s