Empreendedores são servidores públicos

por Max Borders

Existe uma predisposição a homenagear nossos professores, saudar tropas ou tirar o chapéu para os bombeiros.

É justo. Essas podem ser funções desafiadoras e, às vezes, perigosas; sem dúvida, esses homens e mulheres merecem nossa admiração e gratidão.

Mas já é hora de homenagear a coragem de um tipo diferente de servidor público: aqueles que destemidamente arriscam seu tempo e dinheiro em prol do avanço da civilização. Aqueles que incansavelmente trabalham 80 horas por semana com pouco ou nenhum retorno, e mesmo assim não recebem aclamação pública ou passeatas com confetes quando cumprem a sua missão.

Já é hora de parabenizar o servidor público esquecido: o empreendedor

Vamos começar pela realidade brutal: 80% dos empreendedores dos Estados Unidos fracassará.

Isso significa que 8 entre 10 pessoas que estão tentando descobrir uma forma de oferecer a você algum tipo de produto, serviço ou experiência fracassarão tentando – emocional, espiritual e financeiramente.

Sim, eles estão tentando lucrar – mas pergunte a qualquer fundador de startup a real razão pela qual decidiu lançar sua companhia… certamente, não é dinheiro. Existem formas muito mais fáceis, menos estressantes e mais conversadoras do ponto de vista financeiro de ganhar a vida que começar um negócio. Dinheiro não é o único motivo.

O processo pode ser exaustivo, frustrante e emocionalmente desgastante – e isso tudo antes de qualquer indicação de que seu negócio é um sucesso ou fracasso.

Empreender é difícil. Na verdade, é uma das coisas mais difíceis que você pode fazer. Agora, é difícil imaginar uma forma para homenagear os Gates, Thiels e Buffets do mundo. Afinal de contas, a maioria de nós os parabeniza o bastante com nossos investimentos. Mas esses caras são somente os empreendedores mais visíveis e bem-sucedidos.

Eles se tornam alvos fáceis dos críticos da mídia, por causa de um viés natural de sobrevivência (nós nos lembramos dos extremamente bem-sucedidos enquanto ignoramos os 80% que fracassaram).

Exceções confirmam a regra.

Os empreendedores que desejamos homenagear são aqueles que sonham em se tornar uma exceção – aqueles que ficam acordados até tarde da noite trabalhando em um plano de negócios, e levantando cedo de manhã para bater ponto em seu emprego fixo. São aqueles que tiveram seu projeto recusado por um grupo de investidores, mas ainda se recusam a desistir porque acreditam em sua ideia. Talvez sejam aqueles que estão trabalhando em um protótipo e não tem nada além de algumas códigos de programação e um notebook para mostrar aos investidores.

Se você é um empreendedor e está lendo este texto, perceba que você é um servidor público.

Você está heroicamente sacrificando seus recursos financeiros (e sanidade mental) para tornar o mundo melhor. Você é um servidor público, no sentido mais profundo e significativo do termo.

Na edição de 2015 do Voice & Exit, fechamos parceria com a Tech Ranch para homenagear aqueles empreendedores. Tech Ranch trabalha com startups, auxiliando-as em sua jornada de sucesso (ou fracasso).  A Tech Ranch prega o seguinte:

Pensar em uma ideia e transformá-la em um negócio requer a escolha correta de pessoas e ferramentas. Tech Ranch Austin é um lugar onde os empreendedores da era tecnológica se reúnem para avaliar as necessidades do todo, alavancando o capital social da comunidade. Fazer parte da comunidade Tech Ranch significa ter acesso a aulas, oficinas de trabalho, programas de mentoria, eventos de networking, espaços de criação, e especialmente a sabedoria compartilhada por empreendedores experientes.

Visionários precisam da comunidade. Eles precisam de apoio. Eles precisam saber que seu legado é mais que um balanço contábil. A contribuição empresarial para a civilização moderna é tão enorme que não pode ser medida puramente por números. Vai muito além disso.

E, mesmo assim, quando foi a última vez que você agradeceu a um empreendedor?

Quando foi a última vez que você refletiu sobre o sacrifício emocional que nos brindou as coisas que tornam nossas vidas melhores, como Netflix, computação na nuvem, ou as outras inúmeras inovações que colaboraram para nosso atual padrão de vida?

Em resumo, é um tempo magnífico a ser vivido. Os professores educam nossos futuros líderes. Soldados estão dispostos a lutar. E ainda assim são os nossos empreendedores que correm 8 dias por semana para criar uma sociedade pela qual vale a pena lutar.

Empreendedores também são servidores públicos


Sobre o autor

É editor da revista The Freeman e diretor de conteúdo da Foundantion for Economic Education (FEE). Também é autor do livro Superwealth: Why we should stop worrying about the gap between rich and poor.

// Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Ivanildo Terceiro. | Artigo Original

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s